=>Carpe diem quam minimum credula postero


Domingo, 26 de Novembro de 2006

Fui ao teatro

Quinta-feira fui ao teatro Miguel Franco assistir a uma encenação dramática de nome “Motores de madeira” com Joel Ferreira, Márcio Menino e Rui Henriques. Três jovens talentos, como muitos desconhecidos do grande público.
 
A sinopse “Duas famílias - pais e filhos - digladiam entre si, procurando a realização pessoal de cada um. Das suas aspirações, resulta uma teia que faz sobressair a opressão do passado, a fobia do futuro e a frustração do presente.
 
Uma peça onde a intensidade psicológica das personagens está omnipresente e os seus limites de vivência são constantemente postos à prova.”
 
 Uma peça curta em tempo de representação, mas profunda no seu conteúdo. Vi duas famílias em que o conflito de gerações está sempre presente, onde os mais velhos querem transmitir aos filhos aquilo que eles mesmos aprenderam. De um lado a incompreensão dos filhos que querem traçar o seu próprio futuro sem dependerem das famílias, querem traçar o futuro com base nas suas capacidades e não nas tradições passadas. Por outro lado temos um jovem que pretende seguir a “adrenalina familiar” que o Pai perdeu por infortuna da vida.
 Para além deste misto de conflito de gerações, temos o orgulho dos Pais e dos filhos que o tempo afastou e que nunca mais se reencontraram plenamente. Orgulho que os cega e os afasta...
 Vivendo em meio pequeno, os Pais apesar de uma tragédia que separou as duas famílias, encontram-se habitualmente na taberna apesar das feridas passadas, partilham o jogo como ocupação e distracção, sem no entanto esquecer essas mesmas feridas passadas, ou seja estão separados mas juntos....
 
 No final vemos a ânsia de querer reencontrar os filhos. O querer esquecer o passado é de tal maneira forte, que os leva à loucura de querer criar um “motor de madeira” que os possibilitará o reencontro. Será de dizer que a vontade do reencontro é de tal maneira forte, que os leva à loucura, para quebrarem barreiras e passar vales e montes para poderem estar com os seus filhos.
 
 Gostei muito. Por várias razões. Achei a peça simples mas profunda, talvez mais um actor teria dado um pouco mais de dinâmica à encenação. Gostei dos efeitos de luz e som. Gostei da juventude que compôs a plateia, completamente cheia. Esta peça enquadrava-se na semana da “Jornada da Pastoral urbana” sob o tema “Para quê viver?” Talvez a peça não fosse 100% enquadrada no tema, mas cativou pessoas que habitualmente não participam nessas jornadas, como tal foi positivo e penso que será um campo de aproveitar e explorar em próximas jornadas, pelo menos para chegar onde habitualmente não se chega...

=>A Foto do dia

=>postas recentes

=> Fui ao teatro

=>arquivos

=> Novembro 2019

=> Outubro 2010

=> Julho 2010

=> Maio 2010

=> Dezembro 2009

=> Outubro 2009

=> Abril 2009

=> Fevereiro 2009

=> Janeiro 2009

=> Dezembro 2008

=> Novembro 2008

=> Outubro 2008

=> Maio 2008

=> Abril 2008

=> Março 2008

=> Fevereiro 2008

=> Janeiro 2008

=> Dezembro 2007

=> Novembro 2007

=> Outubro 2007

=> Setembro 2007

=> Julho 2007

=> Junho 2007

=> Maio 2007

=> Abril 2007

=> Março 2007

=> Fevereiro 2007

=> Janeiro 2007

=> Dezembro 2006

=> Novembro 2006

=> Outubro 2006

=> Setembro 2006

=> Março 2006

=>pesquisar

 

=>Novembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


=>A passagem do dia

=>A citação

=>Escreva-me: pdivulg@sapo.pt

=>O Tempo por cá

=>Fases da lua


moon phases
 

=>Contador

=>mais sobre mim


=> Perfil

=> seguir perfil

. 6 seguidores

=>tags

=> todas as tags

=>O meu selo

PDivulg

SAPO Blogs

=>subscrever feeds