=>Carpe diem quam minimum credula postero

Quinta-feira, 8 de Fevereiro de 2007

Pecado coisa de antigamente?

 
 
Extraído de uma revista online penso que foi da máxima. Sabem o que é um pecado? Ou será coisa do antigamente... Aqui fica:
 
Dos sete pecados considerados capitais ou mortais pela Igreja – soberba, avareza, luxúria, ira, gula, inveja e preguiça –, poucos têm expressão na sociedade moderna. Só mesmo a avareza, como traço de personalidade oposto à generosidade e ao altruísmo, continua a ter uma conotação negativa.
 
A inveja é muitas vezes entendida como luta pela vida. E a preguiça, no sentido do repouso merecido, perfeitamente aceitável. Também a indignação face a situações injustas deixou de espantar e não condena os indivíduos ao fogo do Inferno. Pelo contrário, a exteriorização da raiva pode ser terapêutica. Funciona como catarse. Daí que possamos encontrar no egoísmo, algo que anda na vizinhança da mesquinhez, um dos novos “pecados” de que toda a gente fala. Os pecados sociais.
 
O que é um pecado social? O que encerra este novo conceito de transgressão e qual a sua relação com os antigos pecados, definitivamente organizados pelos católicos da Idade Média? Diz o dicionário sobre o pecado: “Culpa, vício, falta (…) transgressão da lei divina.” Na sua origem, a palavra significa “estar em dívida com…” – neste caso, com Deus. Portanto, apesar da popularização do termo, “o conceito de pecado tem uma conotação católica veiculada”, observa Moisés Espírito Santo, sociólogo e professor catedrático da Universidade Nova de Lisboa. As virtudes Para cada pecado mortal foi também estabelecida uma virtude. Assim, podemos contrapor:• Soberba – Humildade • Avareza – Generosidade • Luxúria – Castidade • Ira – Docilidade • Gula – Temperança • Inveja – Fraternidade • Preguiça – Diligência
 
Segundo a tradição cultural católica, “esta dívida” com o Altíssimo pode ser maior ou menor. Daí a tipologia das transgressões. “Os pecados estão aglomerados em grupos distintos conforme a gravidade. Os mortais são os que matam a Graça de Deus, fazem suspender a Sua bondade. Por outras palavras, faz a alma morrer perante Deus”, diz o especialista. “Uma pessoa que morresse em pecado mortal, sem se confessar e arrepender, ia para o Inferno.” Contudo, havia sempre a possibilidade de o indivíduo em pecado ser perdoado, através da confissão da “sua falta” ao padre.
 
A grande diferença entre os antigos pecados – os mortais, entre outros – e os novos – os sociais –, é que os primeiros têm uma relação com Deus, enquanto os segundos “dizem respeito a comportamentos recorrentes repreensíveis, mas é como se Deus não tivesse nada com isso”, explica o docente universitário. São falhas da humanidade. E embora também provoquem uma ruptura com o divino, não se encontra escrito no Livro Sagrado que assim seja. Estabeleceu--se chamar-lhe pecados sociais. Os pecados não podem ser analisados fora do contexto social e histórico. “Um pecado é uma categorização de um acto, historicamente. Uma conotação moral de uma determinada época.”
Os pecados mortais foram estipulados numa sociedade muito frágil do ponto de vista económico e em regimes bastante estritos do ponto de vista moral. “Como a situação financeira se encontrava fragilizada, era preciso trabalhar muito. Logo, não se podia fomentar a preguiça”, exemplifica Moisés Espírito Santo. “Assim, os pecados acabam por ser imperativos sociais. Valores fundamentais para o funcionamento da sociedade. A necessidade de criar este conjunto de pecados nasce da inexistência de regras, códigos sociais.
”É claro que a noção de pecado – assim como do seu contrário, isto é, a virtude – corresponde ao nosso esquema religioso, o católico. “Por exemplo, a doutrina protestante não tem o conceito universal de pecado. O pecado é algo pessoal, individual. Isto é, cada um, em sua consciência, considera a sua actuação em cada momento. Os protestantes têm uma relação pessoal com Deus. É um caminho mais solitário. Depois, vivem sem a certeza de ter sido perdoados.” Como recorda o especialista, tratando-se de valores de época, os pecados podem ser sempre alterados.
 
tags:

by pdivulg às 00:02
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Galeriacores1 a 8 de Fevereiro de 2007 às 16:45
Relativamente sobre toda esta temática do pecado há que, antes de mais, salientar que tudo neste universo é relativo e, por conseguinte, tudo aquilo que é relativo não pode ser abordado, encarado ou considerado nunca como algo objectivo mas sim como subjectivo. Por outras palavras, aquilo que é pecado para um determinado indivíduo pode eventualmente não o ser para outro. Neste sentido julgo que a posição oficial da Igreja Católica esteve errada desde sempre. Não é preocupação de Deus catalogar os vários tipos de pecados porque na realidade estes não podem ser catalogados. Neste Universo, como sabem, existem os dois grandes polos que são o BEM e o MAL (Positivo e Negativo). Isto significa que algo é ou então não é e, se é do pecado que se trata, então só Deus e mais ninguém poderá saber se é ou não é pecado. Além disso poderá haver sempre uma justificação válida para todos aqueles que o praticam.


De Sem discussao a 8 de Fevereiro de 2007 às 20:32
Concordo inteiramente com o Galeria. Afinal, o pecado é uma falta contra a razão, a verdade, a consciência recta!


De TiBéu ( Isa) a 8 de Fevereiro de 2007 às 22:58
Tambem concordo com os dois comentarios acima. Aproveito para te desejar uma boa noite. bj


Comentar post

=>A Foto do dia

=>postas recentes

=> Mudança dos tempos

=> Ponto final

=> 95 Primaveras

=> Festa da Fé_Leiria 2010

=> Coleccionando flores....

=> Passatempo

=> Para onde vais Portugal

=> Os tempos mudam

=> O CÚMULO DA IRONIA .........

=> Anedota da Páscoa

=>arquivos

=> Outubro 2010

=> Julho 2010

=> Maio 2010

=> Dezembro 2009

=> Outubro 2009

=> Abril 2009

=> Fevereiro 2009

=> Janeiro 2009

=> Dezembro 2008

=> Novembro 2008

=> Outubro 2008

=> Maio 2008

=> Abril 2008

=> Março 2008

=> Fevereiro 2008

=> Janeiro 2008

=> Dezembro 2007

=> Novembro 2007

=> Outubro 2007

=> Setembro 2007

=> Julho 2007

=> Junho 2007

=> Maio 2007

=> Abril 2007

=> Março 2007

=> Fevereiro 2007

=> Janeiro 2007

=> Dezembro 2006

=> Novembro 2006

=> Outubro 2006

=> Setembro 2006

=> Março 2006

=>pesquisar

 

=>Outubro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


=>A passagem do dia

=>A citação

=>Escreva-me: pdivulg@sapo.pt

=>O Tempo por cá

=>Fases da lua


moon phases
 

=>Contador

=>mais sobre mim


=> Perfil

=> seguir perfil

. 6 seguidores

=>tags

=> todas as tags

=>O meu selo

PDivulg

SAPO Blogs

=>subscrever feeds